NOTÍCIAS

Terça-feira, 04 de Julho de 2017, 12h:10

Olho 5 acessos A | A

Cáceres retorna ao Consórcio Nascentes do Pantanal

A sessão de segunda-feira, 03.07, começou com uma emocionante apresentação do projeto Som da Vida, coordenado pelo Rotary Club de Cáceres. 13 jovens, comandados pelo maestro Gilcélio Campos Anacleto, executaram clássicos da MPB e da música internacional.  

O Maestro Gilcélio aproveitou para fazer a sua despedida. O Maestro veio para Cáceres para trabalhar com jovens pela Fundação Terezinha Mendes. Gilcélio pede que o projeto não morra com a sua ida, já que é importantíssimo para dar opções de cultura e ocupação para os jovens de Cáceres.  

No Grande Expediente, foi apreciado o projeto do Executivo que pede autorização para retornar ao Consórcio Complexo Nascentes do Pantanal. O vereador José Eduardo Torres, relator da CCJ, pontuou que seu parecer foi contrário à aprovação. Apontou que não ficou claro o que o Consórcio fará pela cidade, que as atribuições são vagas. Ressaltou que na prestação de contas do Consórcio há, inclusive, pagamento de shows, na ordem de até 50 mil reais, para o município de São José dos Quatro Marcos. Seu parecer foi pela constitucionalidade, porém, pela ilegalidade do retorno ao Consórcio. O líder do prefeito na Câmara, Cláudio Henrique, esclareceu que os shows foram pagos pelo consórcio porque o município não tinha as certidões para receber recursos do governo do Estado. 

 

POLO REGIONAL 

Para o vereador Cézare Pastorello, o retorno do município ao Consórcio é mais importante do que muita gente imagina. “Cáceres ainda é um dos poucos municípios que não assumiu a descentralização do licenciamento ambiental. O município não tem a estrutura necessária para assumir esse licenciamento. Então, após a aprovação do Código Ambiental Municipal, será mais vantajoso para os municípios que compõe o Consórcio usarem ele para fazer o licenciamento. Imagine que cada município precise ter profissionais como biólogos, veterinários, geólogos, engenheiros sanitaristas, engenheiros agrônomos e outros profissionais. É muito melhor que essa equipe seja do Consórcio e o município acione a equipe nos licenciamentos. 

No entendimento de Pastorello, o município precisa do Consórcio e o Consórcio precisa de Cáceres. "Não há desenvolvimento isolado. Um agente político não pode olhar apenas para o seu bairro, para a sua cidade... Precisamos entender que o desenvolvimento da região oeste significa o desenvolvimento de Cáceres. Tudo passa por aqui. Em outras palavras, o retorno ao consórcio fortalece a região e nos mantém como polo regional de desenvolvimento." 

O retorno de Cáceres ao Consórcio foi aprovado pelos vereadores, com exceção do vereador José Eduardo Torres.