PUBLICIDADE

X

ARTIGOS

Quarta-feira, 07 de Agosto de 2019, 17h:25

Olho 1136 acessos A | A

CÉZARE PASTORELLO

Depois da tempestade, o arco-íris.

Por: Cézare Pastorello

CÉZARE PASTORELLO

Clique para ampliar

Na última segunda-feira, dia 05, um projeto de lei, apresentado conjuntamente, pela vereadora Valdeníria Dutra e por mim, foi rejeitado na Câmara Municipal.

O projeto fazia a inclusão do dia 28 de junho, dia do Orgulho LGBT, no calendário oficial do município.

Antes de tudo, nem eu e nem a vereadora Valdeníria podemos ser acusados de “não ter mais o que fazer”. Sem nos jogar confetes, temos o nosso trabalho reconhecido na sociedade como vereadores atuantes.

E é por termos muito o que fazer, por vivenciarmos o dia a dia das ruas, da miséria, da exclusão, do preconceito e da violência, que nós protagonizamos nessa questão tão importante quanto várias outras: o combate à homofobia e transfobia.

Desde sempre sabíamos que não seria navegar em águas tranquilas, mas sabemos que a travessia é necessária.

Ser uma pessoa com gênero diferente do sexo é um sofrimento por si só, principalmente no Brasil, principalmente no Mato Grosso. A discriminação é quase palpável em todas as esferas da sociedade. E pelo preconceito coletivo, os homofóbicos se sentem encorajados a agredir verbalmente, psicologicamente e fisicamente a comunidade LGBT. Porque o preconceito generalizado torna, para eles, a prática socialmente aceita.

O dia do Orgulho LGBT é uma data necessária. Porque nos outros 364 dias a sociedade presencia a Vergonha LGBT. Pais escondem seus filhos, irmãos escondem suas irmãs, empregadores preferem não contratar e na rua criminosos preferem como alvos. Só no Mato Grosso, nos últimos 9 anos, registramos mais de 500 crimes cometidos contra a comunidade LGBT, só pela sua condição de gênero. Destes, 89 homicídios. A maioria gratuitos, sem motivo, como se não fossem vidas humanas.

Não há nenhuma outra forma de diminuir a violência contra a comunidade LGBT se não for pela naturalização da comunidade na sociedade. É preciso que sejam vistos como iguais.

E foi com esse pensamento que iniciamos o projeto de lei, tendo em mente que toda essa população precisa se sentir reconhecida, acolhida e protegida, como parte da sociedade.

Assessoria

6ece6227-ba8c-4c54-b18d-f2d24a1785b4.jpg

Agradecemos os votos favoráveis do vereador Creude Castrillon e da vereadora Elza. Agradecemos a defesa e o voto do vereador Valter Zacarkin, e com isso chegamos aos 5 votos, dentre 15, lembrando que unanimemente já foram aprovados, nesta legislatura, e com os mesmos vereadores, o Dia da Proclamação do Evangelho, Dia do Assitente Social, Dia do Combate ao Diabetes, Dia do Combate às Drogas, Dia do Serviço de Lions, Dia do Orgulho Autista, Dia da Conscientização sobre o Autismo, Dia da Conscientização do Câncer, Dia de Conscientização e Enfrentamento à Fibromialgia e o dia do Skatista.

Sem mais, reafirmo o meu compromisso com as questões de igualdade e inclusão, abrangendo todos aqueles que por um dom de Deus conseguem brilhar no obscurantismo, vendo um mundo mais colorido. Meu respeito e irrestrito apoio, no dia 28 de junho e em todos os outros dias do ano!
Juntos e Shallow Now!