PUBLICIDADE

X

CIDADE

Terça-feira, 05 de Novembro de 2019, 21h:51

Olho 2661 acessos A | A

ORGULHO CACERENSE

Modelo cacerense posa para projeto que faz crítica a vazamento de petróleo em praias

Por: Mirella Duarte I RD News

Camila Mendes

Clique para ampliar

A modelo cacerense Yasmim Calassara, de 18 anos, posa para as lentes de Camila Mendes, em projeto "Manifesto"

Duas modelos mato-grossenses ganharam notoriedade no Rio de Janeiro, recentemente, após aceitarem convite para um projeto fotográfico com tema ambientalista. O primeiro deles, com as fotos já divulgadas, foi com a cacerense Yasmim Calassara, de 18 anos . O cenário foi a praia de Gragoatá em Niterói com o corpo dela coberto de “óleo” – ao representar o vazamento que atingiu 98 cidades de todos os estados do Nordeste nos últimos meses.

O outro ensaio, com as fotos ainda não publicadas, foi feito com a modelo sinopense Ana Caroline, de 19 anos, hoje radicada em Barra do Garças. As duas deram entrevista ao portal  e contaram que aceitaram sem demora o convite da fotógrafa carioca Camila Mendes, que conheceram por meio de uma agência de modelos.

Yasmim Calassara disse a reportagem que é modelo a pouco tempo, mas sempre se comoveu com causas ambientais, pois sua criação foi meio ao Pantanal, que apesar de mais conservado que muitos outros ecossistemas do país, precisa ser constante. “Tenho uma ligação profunda com o Rio Paraguai, cresci meio aquele pôr do sol e natureza abrangente. Também estou envolvida com movimentos ambientais que visam à proteção da fauna e flora de Mato Grosso, quando recebi esse convite, nem cogitei em rejeitar”.

A modelo ainda faz críticas à omissão do presidente Jair Bolsonaro (PSL), e acredita que o presidente se pronuncia pouco referente ao vazamento de óleo e fala sobre coisas sem sentido. “Tanto o desmatamento da Amazônia quanto uma série de outros desastres ambientais que tem ocorrido no Brasil, aparentemente, o governo não parece preocupado”.

A fotógrafa Camila Mendes, autora do projeto que nomeou de Manifesto, apesar de concordar com a modelo em relação à falta de medidas efetivas e cobranças severas de órgãos responsáveis, argumenta que o projeto também é uma crítica a indústria da moda e consumo demasiado das pessoas. “Bolsonaro, como chefe de Estado, deveria ter uma voz mais ativa. Esse é meu primeiro projeto com tema ambiental e há três anos o amadureço. Ele terá como dinâmica alguns elementos da natureza, e o primeiro cenário (que a modelo Yasmim posou) foi escolhido por ser uma praia banhada pela Bahia de Guanabara. É perto do estaleiro que tem plataformas da Petrobras e de todas as outras empresas que extraem petróleo e, por ali, recebem manutenção”, explica.

A fotógrafa ainda relata que dos cinco anos que trabalha profissionalmente, três deles são dedicados ao mercado da moda, e para ela é inegável a discussão de que as pessoas precisam entender o sistema em que a indústria petroleira funciona, e que a moda está totalmente associada a ela. “A partir das nossas ações, assim como a questão do agronegócio e pecuária com consumo exacerbado prejudique os animais e a água, tem quem compre roupas e mais roupas sem necessidade, depois juntam para doar. No entanto, elas dão muito mais força para esse circulo vicioso”.  

O projeto Manifesto continua em andamento e além do elemento água, Camila também retratara modelos entre rios – com corantes e outros poluentes. As fotos devem ser expostas no próximo ano em um evento de moda.

Até o momento, após dois meses do vazamento, 286 locais foram atingidos em 98 cidades de todos os estados do Nordeste - e pelo menos 81 animais mortos.