PUBLICIDADE

X

CIDADE

Sexta-feira, 05 de Outubro de 2018, 17h:58

Olho 1459 acessos A | A

COTIDIANO

Simplicidade e história se misturam em Cáceres

Por: Lygia Lima – Especial para o Cáceres Notícias.

Ronivon Barros

Clique para ampliar

Não é raro, avistar no centro histórico animais silvestres, afinal o pantanal é seu habitat natural. Neste ano, por cerca de um mês, uma linda onça pintada habitou a região central, como que observando o cotidiano dos moradores

O cheiro das mangas e cajus nos quintais se espalha pelas ruas de Cáceres, distante 210 quilômetros de Cuiabá. Enquanto carros se desviam de muitas bicicletas nas ruas estreitas do seu centro histórico com mais de dois séculos de existência, pode-se apreciar a beleza do Pantanal que explode ali mesmo na área central junto aos bancos, igreja e comércio.

A Praça Barão do Rio Branco que fica às margens do rio Paraguai, um dos mais importantes rios brasileiros, também é o palco principal das manifestações artísticas e culturais. Junto a Catedral São Luiz, do monumento histórico do Marco do Jauru, os moradores e visitantes podem observar no casario colonial, um museu a céu aberto, e também contemplar a majestosa natureza.

Não é raro, avistar no centro histórico animais silvestres, afinal o pantanal é seu habitat natural. Neste ano, por cerca de um mês, uma linda onça pintada habitou a região central, como que observando o cotidiano dos moradores. Ali também já puderam ser vistos outros animais como queixadas, capivaras, antas, jacarés e a costumeira ave símbolo do pantanal, o Tuiuiú.

bd6696fd-8f1d-4ec0-bef1-8e43512d6b6c.jpg

Cáceres conta com um centro histórico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Em Cáceres, a vida explode em cores, seja nas fachadas coloridas, no inquietante entardecer no cais na cidade, ou ainda na singeleza das flores e aguapés e dos pássaros multicoloridos. Junte-se a isso tudo, o linguajar único do cacerense, as comidas típicas, as festas de santo e pode-se imaginar de que cidade se fala. Os mais antigos ainda se sentam nas calçadas nas noites quentes para contemplar a natureza e conversar sobre a vida e os afazeres do dia. Os mais jovens se reúnem em rodas de tereré para aplacar o calor e também conversar sobre um próximo programa, quem sabe.

O jeito de cidade do interior, de boa vizinhança ainda perdura em Cáceres. Claro que a violência assusta, mas a impressão que se tem é que ela é uma intrusa querendo atrapalhar a normalidade da vida nessa cidade de 240 anos de história que se completa neste sábado, 06 de outubro.