PUBLICIDADE

X

EDUCAÇÃO

Terça-feira, 01 de Setembro de 2020, 22h:48

Olho 1082 acessos A | A

MANIFESTAÇÃO

Desvalorizados interinos da educação cobram prefeito de Cáceres durante visita do Governador

Por: Joner Campos I Cáceres Notícias

Joner Campos

Clique para ampliar

Com gritos de guerras, cartazes, e faixas, os representantes dos interinos recepcionaram o governador e o prefeito

Indignados com o descaso que vem sofrendo por parte do Executivo Municipal desde o mês de abril, um grupo de profissionais interinos da educação aproveitou a presença do governador, Mauro Mendes, nesta segunda-feira (1)  em Cáceres, para cobrar  do prefeito Francis Mares, o pagamento integral  dos salários que estão suspensos dede abril.

Com gritos de guerras, cartazes, e faixas, os representantes dos interinos recepcionaram o governador e o prefeito, em frente ao portão principal do Hospital Regional, o ato chamou atenção de quem participava do evento, de populares que passavam pelo local, além de despertar a curiosidade e olhares dos jornalistas que cobriam o evento.

Durante o protesto o procurador geral do Município, Bruno França, irritou-se ao ler a faixa: “Prefeito, decisão judicial não se discute! Cumpre-se”, e reagiu dizendo que, o Executivo irá cumprir a decisão da desembargadora, Clarice Claudino da Silva, do TJ de Mato Grosso. “O que essa gestão faz é cumprir a decisão judicial.’’, afirmou ao adentrar no evento.

A desembargadora, reconheceu a inconstitucionalidade do Decreto 268, de autoria do prefeito Francis Maris (PSDB) que suspendeu os contratos e salários dos servidores interinos da educação.

Conforme o professor José Carlos, apesar da fala do procurador ainda há duvidas quanto ao cumprimento da decisão judicial dentro do prazo, uma vez que, os holerites já foram disponibilizados e ainda apresentam o valor de salário com os descontos de 50%.

“Se está no holerite metade do salário como vão pagar salário integral? A gente sabe que recebe o que está no holerite, nós estamos trabalhando triplicado, atendemos alunos, pais, fazemos relatórios, planejamentos, exigências daqui, dali, usamos nossos, telefones,internet e só recebemos 50% ?É muita falta de  respeito, ressaltou o professor.

 

Entenda a situação

 
As vésperas do fechamento da folha de pagamento do mês de abril, dia 20, o prefeito Francis Maris Cruz, editou um decreto com data retroativa, ao dia 09 do mesmo mês, suspendendo os salários dos servidores interinos da educação. Pressionados pelos interinos a Câmara de Vereadores de Cáceres derrubou o decreto, então o prefeito fez um acordo com os vereadores da base aliada e resolveu dar uma “ajuda” a título de adiantamento de salário, aos trabalhadores, algo desconhecido da classe. Após esse acordo que parecia mais um arquivo secreto e muitos desgastes, o prefeito editou um novo decreto legitimando o acordo.

Diante dessa situação os profissionais passaram a receber adiantamento de metade do salário a partir de abril, e ao retornar as aulas no mês de julho e agosto continuam repondo aulas e recebendo apenas 50% do salário, sendo que, Auxiliares de serviços gerais e Auxiliares de Desenvolvimento Infantil (ADI) estão recebendo menos de meio salário mínimo.

Inconformados os vereadores do PSC, Rosinei Neves, Valdeníria Dutra e vereador José Eduardo Torres, e o vereador Cézare Pastorello (SD) ingressaram com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, que teve liminar favorável aos profissionais da Educação.

De acordo com os servidores, a gestão continua ignorando a decisão e usando de subterfúgios para não pagar o salário integral, razão pela qual os advogados Danilo Muniz Pontes e Fernando Henrique de Andrade Vasconcellos, patronos da ADIN, pediram a aplicação da multa diária.