PUBLICIDADE

X

POLÍCIA

Sexta-feira, 30 de Novembro de 2018, 10h:35

Olho 14992 acessos A | A

CÁCERES

Advogada acusada de ligação com a facção CV é presa em operação policial

Por: Rayane Alves

A Operação Organización, deflagrada pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Fronteira (Defron), na manhã desta sexta-feira (30), em Cáceres (225 km a oeste de Cuiabá) prendeu a advogada Railla Weisa Campos Silva. Segundo informações repassadas por uma fonte do , Railla é apontada como membro da facção criminosa Comando Vermelho (CV).

 

A advogada teria, conforme informado pela Políicia Civil, ligações com crimes praticados pela facção, como por exemplo, tráfico de drogas e roubo de carros. Ela é acusada de planejar o roubo de uma caminhonete modelo Amarok contra o próprio irmão.

 

Ao todo, foram cumpridos 29 mandados de prisão preventiva e 6 mandados de busca e apreensão contra integrantes da facção que atuava na região da grande Cáceres. As ordens foram expedidas pelo juiz da 3ª Vara de Combate ao Criminal daquela Comarca, José Eduardo Mariano, e cumpridas pela Defron sob comando da delegada Cinthia Gomes da Rocha Cupido.

 

Segundo a delegada, as investigações tivera início há 6 meses. A maioria dos envolvidos está recolhida em uma unidade prisional de Cáceres. "Por meio de um trabalho técnico foi possível apontar o papel de cada membro dessa facção criminosa que está por trás da prática de crimes como roubo, tráfico de drogas, furtos, receptação",  pontuou Cinthia Cupido.   

 

A delegada ainda reforça que todas as lideranças, da maior até a menor, foram presas na operação que tem como principal objetivo impedir o crescimento e ramificações da facção em outras regiões de Mato Grosso.

 

Os presos foram autuados pelos crimes de organização criminosa, cuja pena varia de 3 a 8 anos, associação e tráfico de drogas, com pena prevista de 5 a 15 anos, roubo, estelionato e falsa comunicação de crime.

 

A advogada Railla é filha do ex-vereador por Cáceres, Célio Silva, que morreu em um grave acidente em outubro do ano passado, no km 612, da BR-364, próximo de Poconé (104 km ao sul de Cuiabá).