PUBLICIDADE

X

POLÍCIA

Segunda-feira, 23 de Agosto de 2021, 16h:13

Olho 1939 acessos A | A

INCÊNDIO NO PANTANAL

Escassez de água e fogo subterrâneo dificultam combate a incêndio no Pantanal de Cáceres perto da fronteira com a Bolívia

O incêndio florestal já destruiu mais de 20 mil hectares de vegetação.

Por: G1-MT

Reprodução

Clique para ampliar

Fogo que começou há uma semana reascendeu

 

 

Uma aeronave da Defesa Civil foi enviada a Cáceres para apoiar o trabalho dos bombeiros de combate ao incêndio na região do Pantanal mato-grossense, que já dura sete dias, com interrupções. O fogo começou na última terça-feira (16), na fronteira com a Bolívia, e foi controlado um dia depois com a ajuda de bombeiros e fazendeiros da região, mas, devido ao tempo seco, as chamas reascenderam.

De acordo com a tenente coronel do Corpo de Bombeiros Luciana Brandão Silva, foi necessário chamar reforço com a volta do fogo. Ela explicou que a escassez de água na região está dificultado o combate às chamas.

"Foi necessário mandar mais algumas equipes de reforço. Ele (fogo) está se intensificando e a escassez de água tem dificultado bastante o nosso combate na região. Estamos aguardando mais uma equipe de 10 militares vindo de Cuiabá para nos apoiar, uma aeronave com aproximadamente 3 mil litros de água vai chegar, vai nos auxiliar nessa operação e assim esperamos obter êxito o mais breve possível com a extinção do incêndio", explicou.

Além disso, há incêndios subterrâneos na região, o que também dificulta o trabalho dos brigadistas.

"Há alguns fatores que complicam o nosso trabalho na região que é a distância do local, dificuldade de comunicação, no deslocamento do próprio terreno, a falta de água, a região que já se encontra com uma vegetação muito seca, além dos ventos fortes", contou.

whatsapp-image-2021-08-23-at-3.13.23-pm.jpeg

 Avião da Defesa Civil reforçou o trabalho de combate ao fogo — Foto: Corpo de Bombeiros-MT

O incêndio florestal já destruiu mais de 20 mil hectares de vegetação. Os bombeiros voltaram para o combate utilizando aeronaves.

Um grupo se concentra na parte sul da fronteira e outra atua na parte norte da fronteira. Ao sul, 14 bombeiros militares, fazendeiros e maquinários estão tentando conter o fogo próximo à Fazenda Florida, com o objetivo de proteger o Parque do Guirá e a fronteira com a Bolívia.

Ao norte, sete bombeiros estão combatendo as chamas nas proximidades da fazenda Santo Antônio e na fronteira com a Bolívia, com auxílio dos fazendeiros da região e maquinários cedidos por eles.

(CLIQUE AQUI) e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do .
 
 

Leia mais sobre este assunto