PUBLICIDADE

X

POLÍCIA

Quinta-feira, 24 de Junho de 2021, 14h:11

Olho 757 acessos A | A

COMBATE AO CRIME

Forças de Segurança já recuperaram R$ 288 mil e identificaram 8 suspeitos de roubo a cooperativas

Por: Julia Oviedo | Sesp-MT

Reprodução I Polícia Militar

Clique para ampliar

Dinheiro recuperado em assalto a cooperativas

Em 20 dias de operação para recuperar o dinheiro roubado das cooperativas de crédito de Nova Bandeirantes e prender os responsáveis pelo crime, as forças de segurança já conseguiram apreender mais de R$ 288 mil do dinheiro roubado, além de identificar oito suspeitos envolvidos no crime.

Desde o dia 04 de junho, a Polícia Militar (PM-MT), a Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), unidades especializadas, o Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) têm trabalhado para solucionar o crime, identificar e deter os responsáveis que participaram direta ou indiretamente da ação.

“A resposta do Estado será à altura da ação criminosa”, afirmou o secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante. Na operação estão sendo empregados cerca de 120 servidores das forças de segurança que, segundo ele, são profissionais bem treinados, bem equipados e que estão comprometidos com a operação.

Confrontos

Na primeira ocorrência, no dia 10 de junho, quatro suspeitos fugiram após avistar uma barreira policial. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi acionado e durante as buscas em uma região de mata, os policiais foram surpreendidos por disparos de arma de fogo. Os quatro suspeitos foram atingidos e foi prestado atendimento médico, mas eles não resistiram. Foram recuperados R$ 164.731,25 do dinheiro roubado, além de armas, munições, roupas camufladas, entre outros.

Já nesta segunda-feira (21.06), dois suspeitos, também ao avistar uma barreira policial próxima ao município de Nova Monte Verde, fugiram para uma região de mata. A Força Tática do 9º Comando Regional da PM-MT iniciou as buscas e encontrou os criminosos no interior de uma residência. Os policiais foram recebidos a tiros. Os dois suspeitos foram atingidos e não resistiram aos ferimentos.

Com eles, a polícia encontrou mais R$ 43.451,75 do dinheiro roubado, um revólver .38, uma espingarda calibre 12, roupas camufladas, coturnos, luvas, celulares e bateria externa de celular.

Ao retornar ao local do confronto, na última terça-feira (22.06), o Bope encontrou mais R$ 45.025,00 em dinheiro após varredura na área. Também foram encontradas gandolas camufladas, roupas e uma rede de selva.

Além do Comando Regional da PM-MT de Alta Floresta, os comandos de Sinop e Juína também estão envolvidos na operação, de acordo com o comandante-geral, coronel PM Jonildo José de Assis.

“Acredito que ainda teremos bons resultados e mais novidades em relação ao caso, uma vez que estamos preparados para ficar lá o tempo que for necessário para dar resposta a este tipo de ação covarde, criminosa e que com certeza leva pânico a toda sociedade. Eu reafirmo o compromisso da Polícia Militar em estar na região até se esgotarem todos os indícios da permanência desses criminosos em solo mato-grossense. E nossa tropa está muito motivada e se empenhando muito nas buscas”, avaliou o comandante-geral da PM-MT.

Prisões

Já nesta quinta-feira (23.06), a PJC conseguiu prender mais dois suspeitos em Nova Monte Verde. A prisões ocorreram após os criminosos tentarem adquirir um veículo com dinheiro em espécie, o que chamou a atenção da polícia. Um dos suspeitos foi abordado na rua e o segundo em uma residência nas proximidades.

Junto com eles, a Polícia Civil apreendeu o valor de R$ 35.251,00 em dinheiro, além de outros itens como roupas camufladas, arma de fogo – entre elas um fuzil .30 - e munições.

Dinheiro recuperado PJC - N. Monte.jpg

De acordo com o delegado que está conduzindo as investigações, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), o apoio das forças de segurança da região tem sido de grande valia, já que os profissionais locais conhecem bem as peculiaridades e condições geográficas da localidade.

Até o momento, 42 oitivas com vítimas e testemunhas do crime já foram realizadas pela Polícia Civil, além da análise de imagens dos estabelecimentos comerciais, não só de Nova Bandeirantes, mas das cidades da região onde os criminosos passaram e das praças de pedágio.

“Nós estamos bastante avançados nas investigações, que correm em sigilo para o sucesso da operação. O nosso foco desde o início é identificar e localizar todas pessoas que participaram, mesmo que indiretamente, desta ação criminosa contra cooperativas de crédito de Nova Bandeirantes. É um crime complexo, mas que com a integração das forças de segurança e com a concentração das informações, nós estamos avançando bastante”, avaliou o delegado da GCCO.

Identificação

A identificação técnica dos suspeitos está sendo realizada pela Politec de Sinop e de Alta Floresta. Os seis dos suspeitos mortos em confronto foram identificados como: Maciel Gomes de Oliveira, 36 anos; Luiz Miguel Melek, 39; Romaro Batista de Oliveira, 35; Waldeir Porto Costa, 25; Diego Almeida Costa, 31 e Adailton Santos da Silva, 40.

Conforme o coordenador regional da Politec de Sinop, Márcio Alexandre Prado Monteiro, a instituição atuou desde as perícias realizadas nas agências bancárias, nos locais de morte dos assaltantes, até nos três veículos utilizados durante a ação. Nos locais foram recolhidos também vestígios que ainda serão periciados. Além disso, as armas utilizadas tanto pelos policiais quanto pelos suspeitos também passarão por perícia técnica.

“A identificação técnica da Politec também está sendo parte da operação, sendo responsável pela identificação dos seis suspeitos mortos durante os confrontos. Entre as vítimas, quatro passaram por necropsia e foram identificadas em Sinop e as outras duas no município de Alta Floresta”, disse o representante da Politec.


Leia mais sobre este assunto