PUBLICIDADE

X

POLÍCIA

Segunda-feira, 12 de Março de 2018, 22h:55

Olho 1683 acessos A | A

VEJA O VIDEO

Homens que se dizem de facção ameaçam alunos; GCCO apura

Polícia Civil foi até a unidade na manhã desta segunda-feira, porém não conseguiu identificar ninguém

Reprodução

Clique para ampliar

Os alunos foram colocados de joelhos na quadra da escola e ouviram o "salve" dos membros do Comando Vermelho

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) encaminhou nota ao LIVRE em que a Polícia Civil chama de “constrangimento” a ameaça feita por supostos membros do Comando Vermelho a alunos do Centro de Educação de Jovens e Adultos Almira Amorim e Silva, caso eles não parem de fumar maconha na escola. O vídeo da ameaça está circulando na internet. 

A Sesp disse que a Polícia Judiciária Civil, por meio da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), e em conjunto com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), está apurando as circunstâncias do vídeo.

No vídeo, os supostos membros do Comando Vermelho chegam a dizer que eles é que resolvem as coisas agora. “Hoje em dia a polícia não resolve mais nada, quem resolve é o comando”, diz o homem que está filmando o que eles chamam de “salve”. Veja o vídeo completo clicando AQUI.

A secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc) também se pronunciou, dizendo que na manhã desta segunda-feira (12) uma equipe da secretaria se reuniu com a gestão da escola e com investigadores do GCCO.

Conforme a nota, os investigadores registraram um boletim de ocorrência e iniciaram as investigações sobre o caso, a fim de identificar os envolvidos e se os jovens que aparecem na gravação realmente são alunos da escola.

A secretaria, segundo a nota, estará à disposição da polícia para ajudar da resolução dos fatos. E informou que a Seduc tem desenvolvido atividades integradas para reduzir a evasão escolar, combater a indisciplina, a infrequência e a infração no ambiente escolar.

Por fim, a secretaria afirmou que, assim como a gestão Ceja Almira (que no vídeo era citada como a favor da presença dos membros do Comando Vermelho na escola), “não compactua com atos de violência e constrangimento como os registrados”.