PUBLICIDADE

X

POLÍCIA

Segunda-feira, 02 de Outubro de 2017, 15h:58

Olho 1268 acessos A | A

PONTES E LACERDA

Serra da Borda tem nova invasão e polícia realiza desocupação

Cerca de 40 homens armados expulsaram seguranças e se apossaram da área

Por: Mikhail Favalessa, da Redação

Lenine Martins/Sesp

Clique para ampliar

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) realizou na manhã desta segunda-feira (02) uma operação para desocupar o garimpo da Serra da Borda, em Pontes e Lacerda (440 km de Cuiabá). Equipes do Batalhão de Operações Especiais (Bope), do Grupo Especial de Fronteira (Gefron), da Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam), e do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) participaram da ação.

Segundo a Sesp, cerca de 20 homens armados invadiram o garimpo no último sábado (30), utilizando dez veículos. Eles chegaram ao local atirando contra os seguranças da empresa mineradora que administra o garimpo. Os seguranças conseguiram fugir e acionaram a Polícia Militar no domingo (1º). Em seguida, policiais foram até a região, mas também foram recebidos a tiros. Depois de um tiroteio intenso, a equipe precisou recuar.

Durante operação, na manhã desta segunda, os invasores conseguiram fugir do local. Até o momento ninguém foi preso.

Esta é a terceira vez que homens armados tomam conta do local. Em dezembro do ano passado, a região foi ocupada ilegalmente por garimpeiros sendo desocupada em janeiro por ação policial. Em maio, a Sesp interviu novamente para liberação da área, que pertence à União.

A situação em Pontes e Lacerda se arrasta desde outubro de 2015, quando a notícia da existência de ouro na Serra da Borda se espalhou por meio das redes sociais. Na primeira onda de invasão, cerca de 600 pessoas se apossaram do local e passaram a extrair minério com equipamentos precários. Houve relatos de que uma espécie de milícia ligada ao Primeiro Comando da Capital (PCC) faria a escolta armada dos posseiros.

Em abril, o LIVRE publicou uma série de reportagens sobre a situação da Serra da Borda e as pessoas que passaram a fazer do garimpo no local sua principal fonte de renda.