PUBLICIDADE

X

POLITICA

Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2020, 15h:56

Olho 3713 acessos A | A

SUSTENTABILIDADE

Cáceres da início à construção de usina de energia solar municipal

Os sistema de geração vai viabilizar a economia de R$ 500 mil aos cofres públicos

Por: Suzi Bonfim

Ronivon Barros

Clique para ampliar

A meta do Poder Executivo é economizar R$ 500 mil por mês. 

A construção da usina de energia solar fotovoltaica para geração de 2.335 kWp, na prefeitura de Cáceres (220 km de Cuiabá), já está em andamento. São 6 mil placas, que correspondem a 20 mil metros quadrados, instaladas no pátio do Poder Executivo do município e vão se transformar em cobertura para estacionamento de carros e ônibus escolares. A meta do Poder Executivo é economizar R$ 500 mil por mês. 

Licitada em outubro de 2019, o custo total da obra é de cerca de R$ 10 milhões. A expectativa do prefeito é viabilizar o retorno do investimento em 24 meses. “Se economizarmos R$ 500 mil por mês, em um ano a redução será de R$ 6 milhões, em dois anos, vamos chegar a R$ 12 milhões”, contabiliza o prefeito Francis Maris Cruz. Considerando a vida útil das placas solares, em 25 a 30 anos, a redução de custos com o consumo de energia na prefeitura deve girar em torno de R$ 180 milhões.

O sistema de geração de energia solar no setor público municipal é inédito no país de acordo com o prefeito. A energia produzida pela usina vai ser distribuída pela rede trifásica da Energisa. A administração do município, por meio de uma permuta com a concessionária, faz a compensação com o que a prefeitura consome de energia elétrica.

O coordenador de iluminação pública, engenheiro Bruno Renostro, explicou como o processo de captação é revertido para o pagamento da conta de energia. “Nós vamos captar a energia do sol e transformar em energia elétrica. Cada metro tem uma capacidade de produção para conseguirmos a energia necessária para todos os prédios da prefeitura, como escolas e unidades de saúde. Assim, precisamos de uma área de 6 mil placas, que totalizam 20 mil metros quadrados”, disse o engenheiro.  Toda a energia captada vai ser repassada para a Energisa. “A empresa vai transformar em crédito o que recebeu e abater na conta de energia da prefeitura”, concluiu.

Acompanhe o passo a passo da obra pelo instagran @eng.brunorenostro