PUBLICIDADE

X

POLITICA

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018, 19h:32

Olho 351 acessos A | A

ANALISE DA DERROTA

Wilson Santos culpa comunicação do governo e PSDB por derrota de Taques

Por: Leonardo Heitor

Reprodução

Clique para ampliar

Taques fez uma boa gestão, mas não soube mostrar para a sociedade os frutos de sua administração.

Em entrevista à rádio Capital, nesta segunda-feira (15), o deputado estadual reeleito Wilson Santos (PSDB) fez uma avaliação da gestão do governador Pedro Taques (PSDB), derrotado nas eleições do dia 7 de outubro, na qual ficou na terceira colocação. Segundo o parlamentar, a culpa da derrota foi a falta de comunicação do Governo com a sociedade.

Segundo Wilson Santos, Taques fez uma boa gestão, mas não soube mostrar para a sociedade os frutos de sua administração. Ele apontou, como exemplo, o quanto o Governo do Estado gastou com comunicação, através do Gabinete de Comunicação (Gcom), valores que, segundo o parlamentar, estão aquém do habitual.

"O governo do Pedro Taques foi bom e o tempo irá provar isso, mas não soube se comunicar com a população. Não soube dizer para a sociedade o que fizemos. Não conseguimos mostrar como assumimos o governo em janeiro de 2015 e a herança maldita do governo Silval Barbosa. O grande problema foi a comunicação. Não soubemos nos comunicar e gastamos pouco com comunicação. Hoje um governo gasta em média, com isso, 1% da arrecadação bruta anual. Gastamos 0,3% ou 0,4%, ou seja, menos da metade do que é senso comum entre os governantes. Nos comunicamos mal", sentenciou.

Wilson Santos também reservou uma parcela de culpa na derrota de Taques para o seu próprio partido, o PSDB. Segundo ele, os tucanos não se preocuparam em avaliar, internamente, a gestão e criticou inclusive filiados da sigla, que de acordo com o parlamentar, deixaram de ser militantes para serem 'comissionados'. O principal defensor do governador criticou também a gestão do ex-presidente do partido, o deputado federal Nilson Leitão, também derrotado nas eleições do dia 7.

"O Taques foi eleito pelo PDT e depois de um tempo veio para o PSDB. Nosso partido também ficou assistindo a administração e não se reunia, não fazia avaliações da gestão, nem apontava caminhos. Ficamos assistindo e boa parte dos membros da sigla veio para dentro do governo, deixando de ser militante partidário e se tornou comissionado. A legenda não fez o seu papel. O deputado federal Nilson Leitão ficava em Brasília a maior parte do tempo. Assumiu funções importantes lá (liderança do PSDB na Câmara e a presidência da Frente Parlamentar da Agropecuária - FPA), mas dedicou pouco tempo ao PSDB em âmbito estadual", afirmou. 

O parlamentar também admitiu que o Governo do Estado conviveu com situações que prejudicaram muito a reeleição de Taques. Wilson Santos citou o escândalo da Operação Rêmora, que investigou desvios na Secretaria de Educação, a mudança do pagamento dos salários dos servidores do dia 30 do mês trabalhado para o dia 10 do mês seguinte, além da prisão de secretário, como na Operação Rêmora, Grampolândia Pantaneira e Operação Bereré-Bônus.

"Não vejo problema em admitir erros. Quando deixei a Prefeitura de Cuiabá em 2010, disse que foi um erro. Foi o maior erro político de minha vida. Houveram problemas na gestão Taques? Sim. Rêmora, deslocamento do pagamento dos servidores do dia 30 para o dia 10 do mês seguinte. Tivemos também prisões de secretários. Mas fizemos realizações que superaram isso. Chamamos, por exemplo, mais policiais militares que os últimos três governos juntos", completou.